fbpx
Now Reading
COVID-19: A realidade por de trás do caos

COVID-19: A realidade por de trás do caos

Tempo de Leitura: 32 minutos

Reflexão do dia: Precisamos entrar em pânico pelo Coronavírus?

Dia 27 de Fevereiro de 2020, o apocalipse começava a chegar em terras europeias com um alarde maior: eram 479 casos, sendo 83% apenas na Itália e o restante se manifestava por 17 países europeus. E já chegou gerando pânico e espalhando pelo mundo se tornando uma pandemia. Surgiu com muitas dúvidas e um certo medo que não é saudável, principalmente pela falta de informação.

Criei este post dia 11 de Março, antes de ser anunciado pandemia. Tudo aconteceu numa velocidade surreal, você pode ver a evolução da expansão do coronavírus pelo mundo em uma animação real feita pelo El País: El mapa del coronavirus: así crecen los casos día a día y país por país.

Fora isso, esses números soltos sem um conhecimento real do que acontece, faz com que a imaginação das pessoas voem longe. Por isso, resolvi explicar toda a situação do Coronavírus na Europa, sem fake news, com dados e fatos e minha humilde opinião como uma Brasileira morando na Espanha e que não acredita que têm a necessidade do pânico gerado, porém é importante tomar as devidas precauções e ter conhecimento do assunto.

Para saber os números atuais pelo mundo: Novel Coronavirus (COVID-19) Situation pela OMS.

Também deixo claro a situação de viajantes Brasileiros na Europa. Àquelas pessoas que planejaram a viagem para Europa por conta própria e gostaria de uma orientação sobre o processo de cancelamento ou pensa em adiar a viagem e precisa de um direcionamento, estarei fazendo consultorias gratuitas até o final de Março. Confira a Consultoria Around e entre em contato.

Quer saber das novidades do Coronavírus na Europa? Acompanhe o IGTV!
Em Março foi criado um e-Book para ajudar os viajantes para adiar suas viagens com mais informaçōes e atualizei incialmente por e-mail. Devido a demanda, comecei a atualizar um pouco da situaçāo na Espanha e na Europa pelo meu Instagram @lud.around e resolvi fazer um quadro no iGTV que chama CorongaNews. Periodicamente, as principais informações você poderá conferir aqui no site também!


Tópicos abordados neste artigo:

  1. Vamos voltar ao caso da China: atualizado 20 de Março de 2020
    • Entendendo o caso da China, vemos que nem tudo é o que parece mas serve de lição.
  2. E chega o Coronavírus na Itália… A Europa entra em alerta: atualizado 20 de Março de 2020
    • Como começou tudo na Europa, a minha experiência e a realidade dos números.
  3. Vamos analisar dados e fatos: atualizado 20 de Março de 2020
    • Vamos compreender os números e sermos críticos para não entrar em pânico.
  4. Então qual é o real problema do COVID-19: atualizado 20 de Março de 2020
    • Se é ”tipo uma gripe”, porque as autoridades dos países têm tomado medidas tão rigorosas parando a economia global?
  5. As medidas tomadas pelas autoridades da Europa: atualizado 20 de Março de 2020
    • Aprendemos com a China, aperfeiçoamos com a Itália. Entenda o que pode acontecer no Brasil também.
  6. Como as pessoas estão reagindo: atualizado 20 de Março de 2020
    • Falta comida e papel higiênico mesmo?
  7. Quanto a letalidade do COVID-19:
    • Compare com outras doenças e tire suas conclusões.
  8. Como anda o COVID-19 na Espanha: atualizado 15 e 20 de Março de 2020
    • Um resumão do que têm acontecido na Espanha.
  9. Informações úteis para quem planeja em viajar pela Espanha: atualizado 15 e 20 de Março de 2020
    • Entenda a situação do turista na Espanha nesse momento.
  10. Recomendações para quem pretende vir para Europa: atualizado 16 e 20 de Março de 2020.
    • Entenda a situação da Europa e o que eu te aconselho a fazer em caso de que tenha viagem marcada entre Março e Abril – principalmente.
  11. Informações relevantes e fonte de pesquisa:
    • Veja alguns sites que eu costumo ver informações gerais.
  12. Agradecimento especial aos colaboradores: Veja quem foram as pessoas que ajudaram por depoimentos sobre o tema pelo Europa afora.

1- Vamos voltar ao caso da China

Fonte da Imagem: Redacción Médica

A notícia apenas começou a se espalhar dia 31 de Dezembro de 2019, reportando 114.243 casos do que eles consideravam como um novo vírus.

Porém, até dia 13 de Fevereiro, a China reportou todos os casos de pneumonia como Coronavírus sem confirmação do laboratório. É nítido ver que depois do dia 13 os números de casos por dia caíram bruscamente de 15.141 para 4.156 casos e diminuiu desde então gradativamente. 

Você pode conferir na nota abaixo do gráfico no site: https://qap.ecdc.europa.eu/public/extensions/COVID-19/COVID-19.html

(Note que é um site oficial da Europa)

Ou seja, as informações já começam a não serem totalmente verdadeiras desde então. Ainda sim, em menos de 3 meses o vírus chega a 80.879 casos na China com 3.139 mortes. Isso não significa que nem 1% da China foi dita como contaminada, porém, dos casos reportados, a taxa de letalidade é sim bem alta: quase 4% dos infectados morrem na China. Entretanto, é importante saber que dos casos de morte, são a grande maioria idosos que já têm alguma patologia prévia, os mesmos que poderiam morrer por alguma outra doença.

Independente disso, não significa que poderiam morrer de outra doença que pegariam realmente outra doença e morreriam agora. O problema é que o coronavírus está aí, e não escolhe quem vai infectar agora ou depois.

Claro que você também precisa contar com a questão da idade. Lembrando que na China tem um total aproximado de 18,16% da população Chinesa sendo homens ou mulheres com 60 anos ou mais, considerada como pessoas dentro do grupo de risco. Se fosse fazer uma regrinha de três básica , iríamos ver que em Wuhan teria uma estimativa de cerca de 2.142.880 pessoas considerada como risco, e considerando que 26.4% seriam pessoas realmente infectadas e levada ao óbito, de acordo com a estatística pelo site do World o Meters, teríamos um total de 565.720 pessoas que poderiam ser levadas ao óbito. Ao contrário, os números mostram um cenário mais tranquilo do que a estatística. Mas isso porque a China conteve o vírus e já tinha passado por situações similares com a SARS e MERS e tomou as devidas providências rapidamente.

Inclusive, a maioria dos vírus ”perigosos”, ao infectarem crianças podem ser fatais, uma vez que o sistema imunológico delas não estão realmente tão preparadas. No caso do Coronavírus, não existem casos relatados de fatalidade ou mesmo complicações pelo Coronavírus na China em crianças. Não parece estranho? Porém ótimas notícias! Ainda é uma questão que está sendo estudadas. Mas isso já mostra que as pessoas que são o ”futuro do mundo” têm certa resistência ao vírus e que as demais que fazem o mundo andar, continuam com sintomas mais ameno.

Na época eu comecei a ficar intrigada com esses números e a crescente recomendação para lavar as mãos, tomar cuidado com a saúde, tomar vitaminas e probióticos, como se fosse algo que nunca fizéssemos em nossas vidas e, agora, com um vírus letal, precisamos ser mulheres maravilhas e homens de ferro para aguentar tudo isso fazendo exatamente o que já fazemos no dia-a-dia, porém, com mais cuidado. Inicialmente eu não levei tão a sério, até ver os números crescerem exponencialmente e a situação virar cenário de filme de zumbi.

Quando eu vi o Youtube do canal Pula Muralha a situação real das pessoas por lá, pessoas não famosas que viviam normal em cidades também bloqueadas ao lado de Wuhan e fiquei tranquila de ver o que eu imaginava: tudo era uma questão de exagero da mídia propagando muita fake news. Mas existe sim uma preocupação que vai além da questão da própria saúde: a estrutura de saúde pública. Tanto que os Chineses tiveram que construir um hospital ”de guerra” em 10 dias porque cerca de 20% dos casos precisam ser hospitalizados.

Foi passado vídeos de chineses caindo, gente falando que o vírus é do morcego sem comprovações, um crescimento enorme em relação a xenofobia diante aos asiáticos sendo que, na realidade, existe sim uma diferença cultural e uma realidade que a mídia se aproveita para aplicar seu sensacionalismo.

A China não é apenas as coisas lindas que vemos, da muralha, prédios grandes, imagens de Hong Kong e Shanghai. A maior parte da China vive em condições precárias, dividindo um quarto com várias famílias, condições de saneamento básico ruim e obviamente, falta de higiene se encontra por todos os lados inclusive em hábitos simples, como por exemplo: escarrar, tossir sem colocar mãos ou braço para tampar, barulho para comer e outras questões que para nós seria inadmissível. A questão cultural nesses casos é essencial para entender a propagação do vírus.

A notícia boa é que a China já saiu do nível de pico da doença e os números de casos têm sofrido queda diariamente. Ou seja, fazendo um bom controle do vírus é possível ver melhora entre três a quatro meses, indicando que a situação na Europa pode se normalizar antes do verão começar!

[ATUALIZAÇÃO 20 DE MARÇO DE 2020]

Fazem 2 dias que a China não reporta nenhum caso novo de Coronavírus!

2- E chega o Coronavírus na Itália… A Europa começa a entrar em alerta.

Fonte da Imagem: Business Insider

Aí mexeu com os sentimentos profundos do Brasileiro viajante que já tinha viagens marcadas para a Europa e começa a surtar comprando litros de álcool em gel mesmo sem nem ter chegado o vírus no Brasil, mas já pensando e dramatizando o problema de ir para a Europa nesse cenário. Outras pessoas que não teriam a mesma condição, por sua vez, começaram a mostrar que viajar pelo Brasil foi a melhor escolha, sendo que nem tinha a opção de ir para a Europa. Mas enfim, a questão é que ninguém queria cancelar uma viagem para Europa e o clima começou a ficar tenso.

Dia 12 de Fevereiro eu viajei para Cracóvia, passando por Milão por umas 3 horas em escala pelo aeroporto de Milão Bergamo. Achei muito surreal de ter chegado e ter fila com alguém todo de branco, com aquela roupa de pseudo astronauta de feltro, máscara, óculos, luvas e aquele tal revolver para medir a temperatura. Foi quando me dei conta que deveriam ter alguns casos na Itália e estavam fazendo o controle.

Confesso que não sabia muito bem dos sintomas, mas depois dessa checagem de temperatura eu resolvi verificar a informação. Me surpreendi por ver que os primeiros sintomas podem ser várias outras coisas e não o aumento da temperatura. Então, por que raios medir a temperatura? Se eu estivesse com febre, seja por uma dor de garganta ou alguma infecção normal por qualquer bactéria, teria que ficar em pé ao lado de outras pessoas que talvez teriam o vírus… Ou seja, não faz sentido uma vez que o sistema imunológico de uma pessoa com febre já está mais debilitado por ter algum tipo de infecção.

Quanto a questão de medir a febre, na realidade, o que os médicos dizem é que a febre tende a não abaixar e se manter alta. Então, se uma pessoa infectada manifesta o sintoma de febre, ela já é barrada de subir no avião porque é uma pessoa que precisa de ficar em quarentena para não transmitir o vírus e necessita ficar em observação em caso precise de alguma emergência. Ou seja: é uma medida de prevenção, mesmo que não seja 100% eficaz.

Medir a temperatura foi um método mais eficaz em outros casos de coronavírus, como a SARS, da qual o principal fator que levava a pessoa saber que estava com o vírus era o aumento brusco da temperatura nos primeiros dias. Já com o COVID-19, tudo indica que não é um fator decisivo, portanto, mais difícil de controlar. Muitas pessoas infectadas passou por esse procedimento e saiu ”são”, por isso alastrou tão rápido através de viagens”.

Dia 17 de fevereiro voltei para Madri e passei pelo mesmo aeroporto, passando pelo mesmo procedimento. Mas honestamente, vi apenas umas 2 pessoas de máscara, não me senti com medo de nada, comi, bebi e comprei uma agendinha no aeroporto. Voltei no avião para Madri e tudo estava normal. 

Eis que dia 26 de Fevereiro de 2020, começam a aparecer notícias de todos os lados falando sobre o “surto” na Itália. Confesso que me preocupei quando li que alguns casos eram de pessoas que voltaram de Milão na mesmo época que eu. E o pior, o vírus se espalhava pela Europa.

Mas, na minha cabeça a situação era muito simples: é um vírus, vai espalhar. Na cabeça da maioria era: é um vírus letal, vamos desesperar. E a mídia ama esse desespero. Porque mais gente busca informação e consome conteúdo e dá ibope!

Dia 28 de Fevereiro meu namorado sai de Cracóvia, sem máscaras, faz escala em Munique e chega em Madri. No auge do alvoroço quando o tal Coronavírus se espalhava pela Europa. Me deu medo, afinal, sou asmática e tenho bronquite, moro com meu pai que já é considerado idoso pela sua idade. E, de novo, tudo normal. Ele regressou dia 01 de Março, me disse que estavam medindo a temperatura e pedindo para que todos do vôo colocassem seus dados pessoais incluindo endereço por alguma eventualidade alguém do vôo tivesse o vírus, todos iriam ser contactados para fazer o teste tampão.

Já este segundo procedimento ao viajar, eu vejo mais sentido. Uma vez que com a temperatura é impossível realmente saber se você é portador do vírus, no momento em que alguém se pronunciar depois que possui o vírus, dá a chance para que os demais saibam que possam também serem portadores e entrarem de quarentena obrigatória.

Agora, e a questão das máscaras? Na realidade, eu achei engraçado de ver que quando meu namorado estava vindo, eu pedi para que ele comprasse máscaras uma vez que estaria junto com pessoas que ninguém sabe se teria o vírus ou não. Como qualquer pessoa pensaria, a máscara sendo uma medida de prevenção. E ele não achou em nenhuma farmácia, todos diziam que já haviam esgotado. Incrivelmente, aqui em Madri também. Na época não haviam casos em Madri, poucos em outros lugares na Espanha e nenhum caso na Polônia inteira. Não sei se é uma medida do governo para que as pessoas não usassem máscaras para evitar o pânico ou se realmente acabaram as máscaras. Mas na Europa saíram várias notícias falando na ineficácia das máscaras para combater o COVID-19, portanto é inútil usá-las como prevenção. O que se recomenda por aqui é que se você tiver com o vírus, o uso da máscara pode evitar a propagação.

Tudo isso me gerou muitas dúvidas e vi que não era a única. Com essas dúvidas e imaginação, caminhando juntas na cabeça neurótica de cada um, obviamente que só gera caos. Portanto, eu pensei em compartilhar depoimentos de pessoas pela Europa afora no meu instagram para ajudar aos Brasileiros a notarem que a situação na Europa não é de pânico ou nada alarmante. Na verdade, mesmo que saibam que existe o pânico e o caos, mas a vida continua e o vírus não se parecia lá tão perigoso assim. Porém, os números mudam a cada dia, as atualizações são constantes e resolvi apelar para entender os números também.

[ ATUALIZAÇÃO 20 DE MARÇO DE 2020]

Infelizmente eu não sabia o que estava por vir. Ninguém sabia. Não acho justo julgar ninguém neste momento porque tudo mudou em 1 semana.

Antes, somente o norte da Itália estava em quarentena, depois o resto da Itália se fechou. Vários países começaram a fechar fronteiras e no final, a Europa já não recebe gente que não é Europeu. O vírus se multiplicou de maneira surreal pelo mundo, e na Europa veio com tudo. A real é que ninguém levou tão a sério, nem mesmo as autoridades na Europa, ninguém pensou que seria necessário fechar fronteiras e ter isolamento social como forma mais eficiente de conter o vírus.

Depois de ter criado este post dia 11 de Março, a OMS declarou o COVID-19 como pandemia. Entre o dia 12 ao dia 17 de Março, vários países europeus fecharam fronteira até que a UE baniu viagens não essenciais para Europa.

A situação é grave.

3- Vamos analisar os dados e fatos:

Fonte da Imagem: Harvard Health – Harvard University

[ATUALIZADO 20 DE MARÇO DE 2020]

Eu tinha feito minhas próprias análises de acordo com os dados da China. Mas, como eu disse: a questão cultural afeta muito. Até então, somente eram passadas informações de números de casos versus número de mortes. Ainda bem que a mídia começou a entender que existem números de pessoas infectadas, números de pessoas já curadas e isso ajuda a entender melhor os dados gerais.

O que eu queria mostrar é que existem números relativos e absolutos e, além disso, temos que entender que os números que vemos não são os números reais: a realidade é pior em número de casos e menor em taxa de mortalidade.

Assim como na China, não é realizado o teste do COVID-19 em todos os pacientes que apresentam os sintomas, portanto não é possível de saber a realidade da situação. Mas sabemos que a cada uma pessoa que tenha o vírus pode se espalhar para até 10 pessoas facilmente e 20% dos casos reportados precisam de serem hospitalizados sendo ao redor de 5% deles, precisando de ir para a UTI.

A sua letalidade ainda varia muito de país para país. A Itália mostra a taxa de mortalidade do vírus de 8.3%, a Espanha ainda está na faixa de 4.6%, na França 2.2%, na Holanda 3.1% e na Alemanha 0.6%. Ou seja, depende muito de como cada país está lidando com a situação. Sabemos que os casos reportados não são todos realmente que possuem o vírus, não sabemos os critérios que os países estão usando para reportar a morte de pacientes pelo vírus em si. Então, é importante ter noção dos números porém ter esse senso crítico para entender que esses números são vagos ainda nesse momento em que a situação está em crise e é impossível tomar base de certos detalhes. Mas uma coisa é certa: os hospitais estão enchendo, as pessoas estão morrendo e o mundo está parando por causa do vírus.

A boa notícia é que o COVID-19 já não é um vírus tão desconhecido assim: já foi identificado em janeiro, o genoma já está disponível e sabemos que este coronavírus veio possivelmente de morcego ou um outro animal de características semelhantes, pertence ao grupo da mesma família da SARS e o melhor: já existe protótipos de vacina e existem mais de 80 ensaios clínicos com antivirais em andamento. Além disso, ao longo desse tempo já foi possível desenvolver bem o teste RT-PCR (teste tampão) e sabemos que dos casos analisados 80% são leves! Sabemos que o vírus é facilmente inativado das superfícies com álcool 70%, água oxigenada 0,5% ou lixívia 0,1% de forma rápida: menos de um minuto limpando já é mais que o suficiente. Sabemos que a melhor forma de evitar o contágio é muito simples: lavar bem as mãos por 20 minutos e isolamento social.

Muitos avanços na ciência para encontrar medicamentos e vacinas para cura do vírus têm sido realizado e estão trabalhando contra o tempo para que saia o quanto antes. No hospital em Sevilla, na Espanha, testaram remédios para Aids em paciente com Coronavírus e foi positivo o resultado. Na Índia também estão estudando vacinas e antivirais que estão bem desenvolvidos. O mundo está trabalhando pesado nisso. A Johnsons & Johnsons está desenvolvendo uma vacina e dizem que já poderá ser testada em humanos, se tudo continuar como está, no mais tardar no verão Europeu, ou seja: entre julho e agosto.

4- Então, qual o real problema do COVID-19

Fonte da Imagem: The NY Times

[ATUALIZAÇÃO 20 DE MARÇO DE 2020]

O maior problema do vírus não é da sua letalidade em si, mas do seu potencial de se manter ativo por muitos dias e de rápido contágio combinado à disponibilidade de leitos.

Se estima que o vírus pode ficar circulando por até 4 semanas e existe também uma preocupação já que 20% dos casos terá a necessidade de serem hospitalizados e terem condições mínimas por pelo menos uma semana. Portanto, a questão da saúde pública é o que mais preocupa e por isso o governo ter tomado medidas de contenção através de confinamento parando todo tipo de movimentação entre pessoas. Essas são medidas realmente de radicais, e assusta ver o mundo parando como se fosse uma guerra – é uma guerra contra um inimigo invisível.

Ao observar a propagação do vírus, o número de pessoas infectadas costuma duplicar a cada 6 dias e cresce de maneira exponencial. O que se estima é que o número de casos confirmados deve ser pelo menos 8 vezes menor do que o número real, uma vez que a maioria das pessoas não realizam o teste tampão. Portanto, o número de confirmados deveria ser multiplicado por 8, e fazer a evolução do vírus ser multiplicado por 2 a cada 6 dias. Ao seguir esta linha de raciocínio, pode ser fácil de chegar aos milhões de infectados em pouco tempo. Por exemplo, se você chegar aos 2000 casos, em menos de 2 meses é possível chegar a 1 milhão de infectados e dobrar este número depois de 6 dias. Isso porque existem outras fontes que dizem que parece que o COVID-19 se propaga ainda mais rápido, ao invés de 6 dias estão analisando a possibilidade de ser 2-3 dias.

Agora imagina, se chegar em 1 milhão de infectados, serão 200 mil pessoas que precisarão de um hospital de uma vez. É impossível dar conta disso tudo. Se a média de mortalidade por número de casos reportados está na faixa de 4%, significa que pelo menos 40 mil pessoas iriam morrer. Isso é surreal! É o que estamos evitando de acontecer em pleno século XXI apenas por causa de um vírus.

Como comentei anteriormente, tanto na China quanto na Europa, o percentual da população idosa é bem alta, levando a pensar que essas pessoas fazem parte do grupo de risco e o contágio acaba se propagando muito rápido e com complicações, podendo levar ao óbito. Para que você tenha ideia de números, o Brasil existe uma média de população idosa cerca dos 8%, já na Europa cerca de 18%.

Portanto, por mais que as pessoas se cuidem, existe a possibilidade dos leitos dos hospitais se esgotem. É o que passou na Itália, onde o número de casos aumentou progressivamente e decidiram fechar o país inteiro para poder circular com pacientes em hospitais fora da área de surto.

A ideia do confinamento é justamente diminuir essa curva de propagação do vírus para ser possível de todos serem atendidos uma vez que o contágio é inevitável e a propagação é exponencial. Diminuindo a propagação ao máximo, é possível de mais pessoas serem tratadas adequadamente diminuindo o número de mortes.

Não tenho dados sobre a quantidade de leitos em relação à população da Europa muito menos do Brasil, mas nos Estados Unidos se estima 3 leitos para 1000 habitantes, o que significa 0,3% da população. Mesmo que na Europa o sistema de saúde seja relativamente bom, existe a limitação de estrutura no sistema de saúde da qual, diferente da China, não tem a mesma condição de fazer um hospital em 10 dias.

Independente se a pessoa for idosa e com prévia debilidade na saúde, é obrigação do governo atender esses pacientes. Portanto, o maior medo no caso da Europa, é em relação a dar condições para sanar qualquer caso de pessoas com complicações na saúde devido às consequências da baixa imunidade causada pelo COVID-19.

Portanto, as autoridades têm agido de maneira mais rigorosa e firme com relação a movimentação e distância de pessoas para evitar o contágio através do confinamento. Mesmo sabendo que em torno de 80% dos casos ativos reportados são aqueles com sintomas leves, qualquer pessoa pode ser transmissora do vírus.

5- As medidas tomadas pelas autoridades na Europa

Fonte da Imagem: Schengen Visa

[ATUALIZADO 20 DE MARÇO DE 2020]

Nota-se um padrão que os países têm adotado para evitar o  contágio além das prevenções básicas que todos conhecem. Existe um certo limite de número de casos da qual ao atingir este número, o país entra em estado de emergência e começa a tomar medidas mais restritivas. No caso, a Espanha dobrou seus números e no dia seguinte, dia 10 de Março, foi proibido eventos com mais de 1000 pessoas na Comunidade Autônoma de Madrid, algumas escolas ficarão em quarentena até segunda ordem, cancelaram viagens de um programa social feito para idosos, recomendaram manter distância de 1m entre as pessoas. Essas medidas foram válidas mas não foram suficientes, dia 14 de Março a Espanha se fechou entrando com um decreto de estado de alerta a partir do dia 15 de Março. Outros países fecharam fronteiras muito antes de chegar em números tão altos, o que eu acho que foi o mais correto a ser feito para evitar a propagação ainda maior de casos o quanto antes.

Na Itália, quando os casos dobraram foi justamente por uma proposta do governo de fazer exame laboratorial chamado tampão, da qual coleta o muco do nariz da pessoa para verificar a existência ou não do vírus em duas visitas em casa. Muitas pessoas são assintomáticas ou possuem sintomas muito fracos do coronavírus, ainda sim podem infectar outras pessoas. Portanto, não significa dizer que existem 100% dos casos de pessoas infectadas realmente morrendo, no hospital passando mal, mas sim, a grande maioria em casa em quarentena esperando a ”virose forte” passar. Alguns poucos casos são levados para observação no Hospital, sendo o maior problema com esta questão é que a grande maioria deles são idosos e/ou com outras complicações patológicas prévias, o que significa dizer que o vírus em si não é tão letal, mas que seu sistema imunológico fica debilitado com o vírus seja vulnerável a outras doenças oportunistas, como pneumonia e outras disfunções. 

A Itália inteira está em quarentena até dia 03 de Abril por uma questão de segurança. Pelo fato da grande população idosa, os hospitais ficaram cheios e alguns pacientes estão sendo levados para outras regiões menos afetadas no país. Para que não contamine mais pessoas é necessário colaboração de todos dentro do próprio país para que se movimente menos para evitar o contágio e o acúmulo de pessoas em hospitais, uma vez que o país não é tão grande, as ruas são antigas, e não acredito que seria possível produzir um hospital em 10 dias na Itália como na China. 

A situação é de guerra, pode haver multas e até ir preso se não cumprirem o confinamento obrigatório. Porém, apesar da maior parte do comércio não estar aberto, é possível sair com cachorro, ir ao supermercado, farmácia, bancas e, no caso da Espanha, também podem ir ao cabelereiro e em lojas de eletrônicos – não sei quanto aos outros países, alguns são mais leves e outros mais rigorosos.

A vida continua! Tem gente que não tem jeito de trabalhar remotamente, ainda que muitas empresas e escolas adotaram home office e métodos online para evitar de andar nas ruas e acabar sendo infectado e transmitir ao próximo. O transporte público local funciona normalmente, os transportes para distâncias médias são restritas a viagens essenciais. A Europa está parada – literalmente.

Cuidado com fake news: Ninguém cai por causa do cansaço de Coronavírus, não são todos infectados que estão hospitalizados e nem em situações de risco. Cuidado com os exageros da mídia!

6- Como as pessoas estão reagindo

Fonte da Imagem: The Sentinel

[ATUALIZAÇÃO 20 DE MARÇO DE 2020]

Como eu mostrei nos stories em destaque ”Depoimentos”  no meu instagram, muitas pessoas ao redor da Europa colaboraram com informação da realidade que se passava em diversos países, incluindo na Itália até antes da Europa se fechar e tudo virar um caos.

O grande problema quando os números de casos infectados dobram é o pânico e histeria generalizada por parte da população. E isso é inevitável, as pessoas vão sentir medo do desconhecido até por causa do alarde da mídia. 

Aconteceu na Itália, Alemanha, provavelmente na França e agora eu vi com meus próprios olhos na Espanha: as pessoas ficam loucas e acham que o fim do mundo está só começando e com medo do governo falar que não pode sair de casa e começar a faltar comida nos supermercados. Conclusão, no primeiro dia que a imprensa falou que dobrou os números, o supermercado Mercadona adotou as medidas preventivas: ficar 2 metros de distância do caixa, fazer com que a pessoa que fica no caixa use luvas. Porém, o engraçado de ver isso foi que os clientes se aglomeravam em fila, um atrás do outro e bem próximos uns dos outros, mas com carrinhos cheios em plena Siesta – o que não é nada comum de acontecer. Estranhei, conversei com um amigo Espanhol e ele me mandou uma foto de quando ele foi ao Carrefour 24h da qual as prateleiras de arroz e outros grãos, macarrão, biscoitos, café, embutidos e conservas já estava realmente escasso. 

Fotos tiradas dia 10 de Março às 23h30 em um Carrefour 24h próximo ao Intercambiador Avenida América em Madri.

Agora, isso não é porque falta comida. Isso se chama: pânico. As pessoas em pânico querem garantir que vão ter comida e sobreviver em período de ”guerra”, portanto, vão ao supermercado e compram mil coisas para estocar em casa para sobreviver a esta ”guerra apocalíptica” do Coronavírus. E é assim que o COVID-19 tem afetado e acabado com a mente humana  nesses últimos tempos. Distorcendo fatos e gerando caos. É para se preocupar, mas não é para desesperar. O momento é de empatia e não de egoísmo. Esse é o problema do pânico: gera falta de empatia e egoísmo.

No norte da Itália, por exemplo, isso aconteceu logo no início do processo, ainda em Fevereiro. Depois de alguns dias as pessoas passaram a ver e notar que não tem o que fazer senão lavar bem as mãos, tomar vitamina C e probióticos, não tocar no próprio rosto, evitar sair muito principalmente para lugares aglomerados, se alimentar bem, ter uma vida saudável e se tiver coronavírus pelo menos o organismo estará preparado. E sabem que não é o fim do mundo, ainda que o vírus têm acabado com muitas vidas e colocado em risco muitas outras. 

Portanto, depois de algumas semanas, no norte da Itália, os supermercados voltaram a estar normal. Primeiro porque o pânico fez muita gente estocar comida, e segundo porque as pessoas entenderam que não é motivo de pânico.

A mesma coisa está passando atualmente na Espanha, no sexto dia de confinamento, os supermercados tomaram providências de remarcar no piso a distância mínima entre as pessoas, álcool em gel na entrada, luvas de plástico descartáveis e número máximo de pessoas dentro do estabelecimento. Não falta comida nem produtos de limpeza, apenas papel higiênico – da qual até hoje eu não entendi a relação disso mas é a realidade.

7- Quanto a letalidade do COVID-19

Fonte da Imagem: Infobae

Não há nada melhor do que ter referências para poder entender essa questão. Entretanto, é difícil de comparar porque é um vírus que está ainda infectando muitos e paralizando o mundo, sendo mais forte e letal que uma gripe de acordo com os números mas não tão perigoso como outros vírus, porém, com uma capacidade viral – ou seja, de contágil – muito alta.

Segundo a OMS, no Brasil foi reportado 1.500.000 casos de Dengue, ou seja, cerca de 0.71% da população foi atingido pelo vírus em 2016. Dois anos antes, esse número era três vezes maior, em 2014, a Dengue atingiu cerca de 2.15% da população Brasileira. E se você não sabe, não é apenas no Brasil que existe a Dengue, existe em média 980 milhões de casos de Dengue anualmente no mundo. 

Há quem vai dizer que Dengue não é tão letal assim. 

Então, o que você me diz sobre a atual epidemia no Brasil de Sarampo? 

Este vírus sim pode causar complicações principalmente em crianças e adultos acima de 20 anos de idade, justo a população que trabalha e faz o mundo caminhar. Tais complicações são: infecções respiratórias, desnutrição, doenças diarreicas, complicações neurológicas, com frequência também de pneumonia em crianças e outros sintomas. Pode chegar a ter confusão febril, encefalite ou meningoencefalite da qual levam ao óbito aos que atingem em aproximadamente 15% dos casos.

O Sarampo, bem conhecido pelos Brasileiros, esse sim mata 110 mil pessoas em todo o mundo anualmente, de acordo com a OPAS Brasil em um artigo publicado em agosto de 2019 fazendo referência ao ano de 2017. Isso porque a vacina evita uma estimativa de casos de 21.1 milhões de mortes anualmente, atingindo principalmente crianças, seres que mal nasceram e tem a vida inteira pela frente. Já o Coronavírus têm levado ao óbito idosos, pessoas mais velhas com mais de 60 anos, com alguma complicação prévia ou com a imunidade debilitada, da qual poderia vir ao óbito com qualquer outro tipo de virose.

Por causa dos sintomas muito similares, muita gente tem comparado com a famosa Gripe (Influenza). De acordo com o site da CDC (Centers for Disease Control and Prevention), onde existe todos os dados dos Estados Unidos com relação a Influenza, ao comparar o número de infectados com a população dos Estados Unidos é muito maior do que qualquer lugar que tem casos de infecção do coronavírus. Achei interessante a matéria do NY Times também da qual fala sobre essas questões e compara ambos vírus e sintomas. 

Em torno de 45 milhões de pessoas ficam gripadas anualmente coma algum sintoma da qual aparecem ao médico para comentar. Imaginem aquelas tantas que não vão? Elas não são contabilizadas realmente, talvez de uma forma muito imaginária de acordo com a estatística. Esse número de pessoas infectadas pela gripe representa 1.3% da população americana. Dos casos totais, 0.13% morrem de acordo com o total que foi infectado pelo vírus, se for comparar com o tanto de pessoas hospitalizadas, sendo 810 mil pessoas, 7.53% delas são levadas ao óbito. 

Portanto, há controversias em relação a gravidade do vírus. O que se sabe é que idosos e pessoas que se encaixam no grupo de risco com a saúde debilitada e problemas respiratórios devem evitar lugares contaminados porque são susceptíveis a contraírem o vírus e transmiti-lo mesmo sem saber. Claro que ninguém quer ficar doente, mas não tem muito o que fazer além de manter as devidas precauções, simplesmente saber viver confinado no período de surto enquanto não sai a vacina ou qualquer tipo de tratamento mais eficaz. 

A grande vantagem do Brasileiro, no meu ponto de vista, é a questão da higiene e da exposição a várias viroses tropicais que já nos ajudam a manter nosso sistema imunológico mais bem preparado do que na Europa, por exemplo. Não tem porque temer o COVID-19, existem outras doenças mais graves, isso porque eu nem mencionei os problemas sociais como feminicídio, estupro, violência. É mais fácil uma mulher morrer sendo vítima de violência doméstica do que de coronavírus, ou ser estuprada do que morrer de COVID-19. 

Porém, acredito que é importante tomar cuidado e as devidas precauções, levar tudo isso com seriedade porque mesmo se você não está no grupo de risco, você pode transmitir. Como já foi falado: o problema não é a letalidade, e sim os 20% dos casos que vão precisar de recursos da saúde pública ou particular para poder sobreviver a isso. É mais que uma simples gripe, ainda que não tão letal como outras doenças, mas espalha muito rápido e toma conta dos hospitais.

8- Como anda o COVID-19 na Espanha

Fonte da Imagem: El País

Na verdade os números têm crescido e vão continuar crescendo pelo menos até Abril, algo normal de acontecer como foi mostrado na imagem com o gráfico da viralidade do COVID-19. As autoridades espanholas têm a previsão de que no melhor das hipóteses a Espanha vai seguir nessa epidemia por mais dois meses, ou seja, até pelo menos Maio, porém, no pior das hipóteses a previsão são entre quatro a cinco meses, provavelmente para Julho e Agosto. Até 10 de Março, Madri marcava  o maior número de casos até agora, seguido pelo País Basco. 

No País Basco, o foco principal é na região da província de Álava, mas não vi nenhuma notícia de casos em Bilbao, San Sebastián ou Pamplona. 

Em Madri foi reportado ontem, dia 10 de Março, 782 casos com 21 óbitos. Dizem que foram realizados mais de 17.400 exames tampão estão tomando as devidas medidas para controle. O foco principal em Madri está em Torrejón de Ardoz, próximo de onde fica situado o Parque Europa de Madri, bem longe do centro da cidade e da zona turística. Mesmo assim, existem medidas que já estão sendo tomadas, como cancelando eventos com mais de 1000 pessoas, escolas e universidades em quarentena até o dia 25 de Março inicialmente, alguns estabelecimentos turísticos também estão com restrições ou fechados e alguns países já estão restringindo viajantes da Espanha.

A primeira morte registrada foi uma Mulher de 99 anos com patologia prévia. Sim, ela foi contada como caso de Coronavírus. Esse é o problema sobre os números, você sabe quantas pessoas foram contadas como vítima de Coronavírus nas mesmas condições que esse primeiro caso? Nada contra uma senhora de 99 anos, mas alguém nessa idade já deve ter a saúde mais comprometida, assim como confirmou que ela já tinha histórico prévio de patologias. Ou seja, vale ressaltar o pensamento: esses números de óbito realmente são devido ao COVID-19 em si ou por debilidade de saúde com histórico prévio agravadas pelo vírus? 

No dia seguinte, morreu um homem de 76 anos, da qual na notícia joga com as palavras e fica meio confuso. Não se sabe se ele estava já no hospital onde haviam 19 casos ou se junto a ele no mesmo hospital havia mais 19 casos do COVID-19. Outros casos posteriores que eu encontrei foram 6 homens acima de 73 anos. 

Os hospitais que eu vi que saíram nas notícias de Madri foram Hospital Gregorio Marañon na região próxima ao Parque Retiro, Hospital Severo Ochoa Leganés mais afastado do centro de Madri e um outro em Vallecas, também nas ”afueras” de Madri.

O que me surpreendeu e, talvez, seja esse o principal motivo de tanto alarde foi porque a primeira criança foi contaminada em uma escola. A mesma escola que estuda a princesa Leonor e infanta Sofía.

[ ATUALIZAÇÃO 15 DE MARÇO DE 2020]

Ontem o Presidente Pedro Sánches fez um discurso depois de reunir com os demais ministros na Espanha para definir e publicar as condições do Estado de Alerta na Espanha por 15 dias podendo ser prorrogado posteriormente de acordo com a situação (veja na íntegra pelo El País). Hoje entrou em vigor as medidas descritas no Boletim Oficial do Estado (veja as condições pelo site boe.es ou clique aqui).

Não ficou claro pelo discurso do Presidente da Espanha sobre o fechamento das fronteiras nem aparece escrito no Boletim Oficial. Porém, foi restringido a mobilidade dos viajantes, diminuindo em 50% o transporte público em ”distâncias médias”, ou seja, entre regiões dentro da Espanha. Dentro da própria cidade os transportes locais irão funcionar normalmente. Haverá controle nas fronteiras e vôos serão aceitos apenas por obrigação do serviço público (OSP). Portanto, existe a possibilidade de regresso ao próprio país àqueles que ainda se encontram na Espanha assim como residentes espanhóis que desejam voltar ao país.

Ainda sim a situação é de confinamento, da qual realmente existe uma limitação da liberdade de circulação das pessoas. Tais limitações são para:

  1. Compra de alimentos, produtos farmacêuticos e produtos de primeira necessidade.
  2. Ir à centros de saúde.
  3. Ir trabalhar.
  4. Voltar para casa.
  5. Ajudar idosos, pessoas com alguma debilidade física ou mental, crianças ou pessoas que se incluem no grupo de risco.
  6. Ir ao banco ou instituições ou agência de seguro.
  7. Qualquer situação de força maior ou de real necessidade.
  8. Qualquer situação similar que possa ser feito individualmente exceto se for acompanhado de alguma das pessoas citadas no ítem 5.

Também é permitido a circulação de veículos próprios desde que seja para as mesmas finalidades ou abastecimento em postos de gasolina.

O comércio está fechado de forma geral, porém, alguns são considerados como ”estabelecimentos de primeira necessidade” que vai além de apenas farmácia, supermercado e hospitais, como:

  • Salão de beleza;
  • Óticas;
  • Perfumarias;
  • Lojas com produtos e serviços ortopédicos;
  • Bancas, papelarias e livrarias;
  • Tabacaria;
  • Lavanderias;
  • Estabelecimentos de produtos e serviços tecnológicos e de telecomunicação como lojas de computadores, celulares e operadoras de celular.

Várias empresas foram obrigadas a reduzir a força laboral presencial e vários outros estabelecimentos foram fechados, incluindo àqueles para finalidades turísticas.

Ou seja, quem estiver na Espanha nos próximos dias terá que ficar basicamente em casa, sem a possibilidade de visitar amigos ou parentes, exceto em caso de extrema necessidade justificável. Porém, poderá sair para comprar revistas, passear com cachorro, comprar alimentos e até cigarros desde que seja de forma individual.

Qualquer não cumprimento com as autoridades Espanholas de acordo com esse Boletín Oficial del Estado, será sancionado de acordo com a Ley Orgânica  4/1981, de 1 de junho, podendo ser multado por infringir as leis da Declaração do Estado de Alerta.

Com tudo isso, o governo lançou uma campanha com a hashtag de solidariedade #ESTEVIRUSLOPARAMOSJUNTOS, ou seja, ”Vamos para este vírus juntos”, para que todos possam realmente contribuir com o estado de alarma, respeitando o trabalho das autoridades nesse momento frágil que a Espanha está passando, para poder unir o povo, independente de raça, cor, crença e também independente de partido político.

[ATUALIZAÇÃO 20 DE MARÇO DE 2020]

Preferi não apagar as atualizações anteriores por motivo de comparação.

Hoje a Espanha chega a quase 20 mil casos confirmados sendo 1002 mortes e 1.585 curados. Madri hoje marcou 7.165 casos e 628 mortos. Eu não sei quantos desses casos são ativos, mas sei que a curva de contaminados está maior que na Itália comparando com o mesmo número de dias. Ou seja, se continuar assim, a Espanha pode acabar pior que a Itália.

Por causa da Semana Santa, hoje já saiu alguns rumores de que devem extender a quarentena da Espanha para até pelo menos dia 14 de Abril. Porém, é importante saber que é possível manterem as restrições e confinamento até os números de casos aparentemente diminuirem. Ou seja, é bem provável de comprometer o mês de Abril completamente se não encontrarem nenhuma solução antes.

9 – Informações úteis para quem vai viajar pela Espanha:

Fonte da Imagem: Deccan Herald

Existem casos em todos os lugares na Espanha, mas é Madri que se encontra atualmente com um cenário mais crítico seguido do País Basco. O evento das Fallas de Valência foi adiada a princípio para Julho devido ao COVID-19 e é provável que outros grandes eventos também sejam cancelados como medida de controle da propagação do vírus. Porém, até hoje, dia 11 de Março, o turismo continua normal em qualquer lugar. É importante, obviamente, ter os devidos cuidados e não se assustar com as medidas de controle e o pânico que pode ser gerado nos próximos dias. Porém, os números devem seguir aumentando e a tendência é que as autoridades venham restringir cada vez mais a movimentação das pessoas e acabar fechando cidades e até mesmo o país.

[ATUALIZAÇÃO 15 DE MARÇO DE 2020]

Espanha decretou o estado de emergência até dia 30 de Março podendo ser postergado de acordo com a situação. Isso significa que as viagens serão restritas e apenas se for de fato julgada com essencial: para Brasileiros que voltariam para o próprio país ou para Espanhóis que voltariam para Espanha.

É impossível ficar a par de todas as informações porque têm mudado toda hora nesse momento de ascensão do vírus. É importante consultar as notícias se atualizar e tenho feito isso no meu Instagram @lud.around. De forma geral, não é possível viajar para Espanha nos próximos 15 dias, e também não recomendo viagens em Abril para qualquer lugar na Espanha. Existem atualmente vários países que já colocaram restrições para quem chega da Espanha e outros que cancelaram qualquer vôo do país.

[ ATUALIZAÇÃO 20 DE MARÇO DE 2020]

Europa baniu viagens não essenciais para Europa por 30 dias desde o dia 17 de Março. Não aconselho nenhuma viagem para Espanha até Junho de 2020.

Veja mais informações sobre a situação da Espanha no capítulo anterior: 8- Como anda o COVID-19 na Espanha.

Em caso de apresentar sintomas e estiver na Espanha, ligue para a central que está relacionada aonde você se encontra, lembrando que o DDI da Espanha é +34.

  • Comunidad Autônoma de Madrid (900102 112)
  • Andalucía (955 545 060), 
  • Castilla-La Mancha (900 122 122), 
  • Comunitat Valenciana (900 300 555), 
  • La Rioja (941 298 333), 
  • Castilla y León (900 222 000), 
  • Galicia (900 400 116), 
  • Murcia (900 121 212), 
  • Ceuta (900 720 692), 
  • Navarra (948 290 290), 
  • Canarias (900 112 061) 
  • País Vasco (900 203 050)

Nas demais regiões, pode chamar pelo número geral 112.

10- Recomendações para quem pretende vir para Europa

Fonte da Imagem: Nikkei Asian Review

A minha intenção é repassar informações reais do que acontece na Europa. Cabe a cada um definir se está dentro dos requisitos de risco e querer viajar de qualquer forma. Lendo tudo que foi passado por aqui é possível de você pesar as condições para sua viagem.

See Also

Agora é um bom momento para fazer o planejamento para sua viagem futura, para elaborar uma rota, entender sobre preços e estruturar uma base para uma Eurotrip entre o verão até o final do ano. Pode contar comigo nisso! Mas agora não é recomendável para viajar pela Europa, infelizmente.

De qualquer forma, o pico do vírus na Europa ainda não foi atingido, portanto o número de infectados vai subir bastante entre este mês e o próximo. Durante este período é possível que países possam cancelar seus vôos para vários destinos, assim como Trump cancelou todos os vôos para a Europa por um mês. Mesmo a República Checa está fechando fronteiras com a Áustria e Alemanha e proibiram qualquer vôo vindo de vários países, incluindo os principais países com foco de coronavírus: Italia, Alemanha, França e Espanha. Essas medidas podem ser ainda mais restritivas ao longo de Março e Abril.

Acredito que uma viagem marcada pelo mês de Março ou Abril poderia ser adiada. Com relação aos meses de Maio e Junho vai depender do desenvolvimento do COVID-19 este mês, portanto é melhor monitorar. Várias companhias aéreas estão colaborando com este processo para adiar vôos e alguns hotéis também estão sendo solidários com a causa ainda que não são todos e depende do tipo de termos e condições você aceitou na hora da reserva. Acho que não vale a pena cancelar porque muitos lugares não vão devolver seu dinheiro e pode acabar te dando mais dor de cabeça. Ao contrário, ao adiar é mais provável de que sejam flexíveis com as datas e você aproveita sua viagem em outro momento mais seguro para sua saúde.

Se tiver necessidade de alguma orientação em caso de ter planejado sua viagem por conta própria para poder cancelar ou adiar sua viagem entre Março ou Abril, saber dos seus direitos caso seu vôo for cancelado e como funciona todo esse processo, estarei disponibilizando a Consultoria Around gratuitamente até o final do mês de Março.

[ ATUALIZAÇÃO 16 DE MARÇO DE 2020]

Já não é opção mais ter a possibilidade de vir para Europa pelo menos até a metade de Abril. As autoridades têm fechado fronteiras e entrado com medidas restritivas e a última notícia é: A EUROPA SERÁ FECHADA POR 30 DIAS.

Já não é possível baixar o e-book que estava por aqui antes. As informações já mudaram e continuam avançando. Te convido a acompanhar o CorongaNews no meu instagram e as principais notícias atualizadas por aqui!


Se você tiver viagem para Europa para Maio é aconselhável adiar devido a imprevisibilidade dos acontecimentos, porém, se tiver a possibilidade de vir, saiba que talvez ainda terá, ainda que mais controlada, a situação do Coronavírus na Europa, ainda sim poderá:

  • Ser infectado por COVID-19
  • Encontrar pontos turísticos fechados e eventos cancelados.
  • Restaurantes, bares e baladas fechados.
  • Restrição para andar nas ruas.
  • Ter que ficar de quarentena sem poder voltar pro Brasil.

Veja neste link as recomendações em cada país da Europa pelo site Oficial da União Europeia. Você também pode verificar informações sobre conselhos e recomendações pelo site do Tratado de Schengen.

No site da União Europeia também se encontra informações relevantes para você saber dos seus direitos com relação às viagens para Europa devido ao COVID-19. Você pode verificar o documento em português clicando aqui.

O problema de você ficar em ”quarentena” é gastar dinheiro a mais sem ter feito o devido planejamento, estar em um país que provavelmente não fala a mesma língua que a sua, sendo estrangeiro(a). É obrigação por parte do operador turístico prestar assistência e, segundo o site oficial da União Europeia, é também obrigatório ”suportar as despesas de alojamento até três noites, desde que a viagem organizada inclua o transporte de regresso do viajante ao país de origem. Se ficar bloqueado por um período superior a três dias, poderá ter de fazer face às despesas adicionais, a menos que estas sejam suportadas por outra entidade.”

Mas não é para entrar em pânico se tiver viagem marcada! Entenda o processo do vírus na Europa e suspenda ou adie sua viagem, é provável que para o verão a situação já esteja muito mais tranquila. De qualquer forma, invista em um bom Seguro Saúde.

Todas as informações sobre casos, números e medidas de cada país varia muito, mas de forma geral, todas as medidas têm sido para prevenção e conter o vírus. A Europa inteira está realmente fazendo o possível e precisa da colaboração de todos. É um momento de solidariedade e pensar no próximo.

Mesmo se você não se encaixar nos grupos de risco sendo idoso(a) ou tiver alguma debilidade na sua saúde e quiser arriscar lembre-se: é importante ter consciência do que a Europa tem feito para evitar a propagação do vírus. Você, como turista, pode acabar propagando o vírus sem saber e dificultar a situação mesmo sem querer. De toda forma,vários países ainda não fecharam as barreiras, portanto, é possível de viajar para alguns países mesmo sendo considerado risco. Seja um turista consciente e solidário com a situação da Europa, adie sua viagem.

Outra coisa que é importante lembrar é: em caso de sintomas, LIGUE! É importante pesquisar o telefone que você pode ligar para perguntar se tem sintomas do Coronavírus e não ir ao Hospital diretamente, uma vez que no hospital existem pessoas com imunidade baixa e você pode ser a pessoa que vai contagiar o próximo pela sua histeria de querer ir direto ao médico. Existe um procedimento a ser cumprido por parte dos atendentes e médicos, não é sempre que é feito os exames, portanto, é com toda certeza que não temos a realidade de quantos casos temos na realidade e quantos casos curados já conseguimos mesmo sem apoio médico. Isso porque os sintomas podem ser facilmente ser confundida com os da gripe e muita gente nem vai ao médico para se tratar, portanto, não iria ligar para saber. Essas pessoas têm a capacidade de transmitir o vírus, mesmo sem saber que realmente o possui.

Telefones úteis para poder ligar em caso de sintomas do COVID-19 na Europa:

  • Telefone geral: 112

Alemanha (+49) 30 346 465 100

Austria (+43) 800 555 621 

Bélgica (+32) 800 14689 

Bulgaria (+359) 2 807 87 57 

Croacia (+385) 91 468 30 32; (+385) 99 468 30 01 

Chipre (+357) 1420 

Dinamarca (+45) 72 22 74 59 

Eslováquia(+421) 917 222 682 

Eslovênia (+386) 31 646 617, 080 1404* 

Espanha: Veja os números de cada comunidade no Capítulo 09 

Estônia (+372) 634 6630; 1220 

Finlandia (+358) 295 535 535 

França (+33) 800 130 000 

Grécia (+30) 210 521 2054 

Holanda (+31) 800-1351 

Hungria (+36) 80 277 455; (+36) 80 277 456 

Irlanda (+353) 1850 24 1850

Islândia (+354) 544 4113, 1700 

Italia (+39) 1500 

Látivia (+371) 67387661 

Liechtenstein (+423) 230 30 30 

Lituânia (+370) 8 618 79984 

Luxemburgo (+352) 8002 8080 

Malta (+356) 21324086 

Noruega (+47) 815 55 015 

Polônia (+48) 800 190 590 

Portugal (+351) 808 24 24 24 

Reino Unido (+44) 111

República Checa (+420) 724 810 106; (+420) 725 191 367 

Romênia (+40) 800 800 358 

Suécia (+46) 113 13 

Suíça (+41) 58 463 00 00 

11- Informações relevantes e fonte de pesquisa

Fonte da Imagem: Financial Times

Achei um site que eu super recomendo para ver o número de casos com um pouco mais de inteligência e menos pânico: World o Meter . Eu gostei justamente porque fala dos números e mostra o percentual de casos curados, críticos, atuais e totais, assim você vê que mesmo que hoje, dia 11 de Março, esteja marcado 121 355 casos no mundo, 50.066 são os casos realmente ativos, ou seja 41% dos casos, e deles, 89% são casos leves. Dos casos já fechados, 66.909 já foram curados!

Existe um total de 1004 pessoas já boas do COVID-19 na Itália, ainda que 8.514 ainda são pacientes com vírus, 90% dos infectados são casos leves!

Na Espanha existem 1939 casos ativos, sendo 95% casos leves e somente 5% críticos e 136 pessoas já curaram do vírus.


Veja mais informações sobre as recomendações para viajar pela Europa dadas diretamente pelo Schengen Visa Info ou no Site oficial da União Europeia.

Para consultar os números e informações sobre o COVID-19 em si, veja no site da OMS ou pelo European Centre of Diseases and Prevention Control .

Para saber informações sobre viajante na Europa: Cartilha informativa pelo ECDC

Veja o mapa de expansão do vírus de forma dinâmica pelo mundo no artigo do El País

Se quiser saber detalhes a cada hora do Coronavírus na Espanha: La Vanguardia – en directo ou pelo El país en directo.

Guia de como conviver com alguém que possui o vírus pelo El País.


12- Agradecimento especial aos colaboradores:

  • Ah! E claro que qualquer sugestão ou contribuição nesse assunto, também será bem-vinda!

View Comments (0)

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Assessoria de Viagem para Brasileiros

Copyright © 2020 | All rights reserved

Scroll To Top